O saldo positivo de FHC

by Ted Goertzel
 

This essay was published in the Folha de Sao Paulo, 23 November 2002, page ESPECIAL A9, in response to Anderson, Perry.  "FHC deixou saldo negativo, diz historiador."  Folha de São Paulo,     November 11, 2002.  The following is the original English text, the Folha published a Portuguese translation. Following it is the Folha's Portuguese translation of Perry Anderson's article.

 Historian Perry Anderson begins his account of FHC's eight years in power with a list of remarkable accomplishments.  Hyperinflation was defeated, illiteracy and infant mortality declined, land was redistributed. The state apparatus was modernized and made more transparent and efficient.  Controls on spending were strengthened and regional clientelismo was reduced.  To this list we could add many more.  Poverty, hunger and inequality declined.  The United Nations Human Development Index improved, enrollment in higher education increased, life expectancy increased, and mortality from AIDS declined sharply.  Agricultural production increased sharply.  Non-governmental organizations played a new and creative role in education and social programs.  Compensation was paid to families whose children "disappeared" during the military dictatorship.  Programs to protect indigenous Brazilians and the Amazon environment were greatly expanded.  The tax reforms detailed in the 1988 constitution were effectively implemented, with tax collection largely centralized in the federal government and resources distributed according to strict formulas.  Programs were established to protect the rights of blacks, other minorities, homosexuals, the disabled, women, children and other groups, including a program to combat violence against women.
 But for Anderson all these good things are cancelled out by the alleged failure of FHC's macroeconomic policies.  Anderson condemns FHC for deregulating markets, privatizing services, and relying on foreign investment to finance growth, a set of policies he calls "light neoliberalism."  He blames these policies for economic stagnation, declining salaries, rising unemployment and an excessive debt burden.  But economies are chaotic and unpredictable and the business cycle follows its own dynamics.  It is best not to give presidents too much credit or blame for economic ups and downs.  By that criterion, Carlos Menem was a genius in the early 1990s.
We need specifics, and Anderson makes two specific economic arguments.  First, he says Cardoso should have floated the real sooner, instead of running up debt and interest rates in a failed effort to sustain the crawling peg.  With hindsight, everyone agrees with this, even the IMF.  But it was not so obvious at the time.  There were legitimate fears that hyperinflation would return.  The PT's economists were not so prescient as Anderson claims, they thought that hyperinflation would return after the real was devalued.
Second, Anderson argues that the country should have been more cautious in accepting speculative foreign investments because of the risk of their fleeing the country abruptly.  This, also, is generally acknowledged today, including by the IMF.  But at the time, a tremendous pool of capital was available for the asking, and it seemed a shame not to use it to boost the country's growth.  So Cardoso took the risk of letting it in, not anticipating how severe the crises in the world economy would be in the succeeding years.  Leaders must take risks, and they do not always pay off as well they hoped.
With the advantage of hindsight, we can accept Anderson's two specific points.  But his more general critique of "neoliberalism" does not follow from them.  "Neoliberalism" is too imprecise a concept for general praise or condemnation.  The two countries Anderson cites as examples of what Cardoso should have done - Chile and China - are both clearly in the "neoliberal" camp.  Chile was the first South American country to adopt "neoliberalism," and it was bitterly denounced by the left when it did so, but it is doing quite well today.  Chile had troubles in the 1980s and might have gone back to more protectionist policies if its leaders had overreacted to a cyclical downturn.  On the other hand, Argentina was considered the poster child of "neoliberalism".  "Neoliberal" policies can be good or bad, depending on the specifics and the circumstances.
In Brazil's case, the country was making a shift from a state dominated to a market dominated economy.  This kind of transition inevitably involves social costs including unemployment in previously subsidized or favored industries.  As Marxists used to be fond of saying, "you can't make an omelet without breaking eggs."  Chile broke its eggs under a military dictatorship; China is breaking them under a communist dictatorship.  As the president of a democratic country with a strong constitution and vigorous opposition parties, Fernando Henrique had to break as few as possible.
Democracy is an important value, but it does make economic transitions harder to manage, as we can see in comparing the Russian to the Chinese experiences.  In Brazil, democratic opposition made it much more difficult for Cardoso to manage delicate situations.  If Itamar Franco, as governor of Minas Gerais, had not refused to pay his state's debts, Cardoso might have been able to finesse a gradual transition to a floating exchange rate.  The Chinese or the Chilean military would never have permitted that kind of insubordination from a regional leader.  Cardoso managed it well politically, without violating democratic norms, but not without economic costs.
Anderson's other specific argument is that FHC should not have had the constitution amended to permit re-election.  This, again, is debatable.  Without re-election, Cardoso would have been a lame duck in the third year of his first term.  One four year term is a short time for a president who needs to make significant changes in a society.  Three years from now, many of Cardoso's critics may be much more enthusiastic about re-election.
Strong opposition from the left stymied many of the reforms Cardoso hoped to complete, such as tax, social security and political reform.  It seems ungracious for supporters of the left to criticize Cardoso for not doing things the left adamantly opposed throughout his eight years in office.  Fortunately, Lula has the advantage of what promises to be a more responsible, constructive opposition, and he seems likely to continue many of Cardoso's reform efforts.
Surprisingly for a Marxist, Anderson's essay focuses on leadership, personality and ideology, with fleeting reference to social classes and social forces. The problem here is that the most relevant conflict is not between capitalists and proletariat, it is between taxpayers and civil servants.   As a recent study by Renato Follador highlighted, Brazil spends more on retired civil servants than on health, education and public security.  Female civil servants retire as young as 48, males at 53, and at 100% of their last salary.  These are expenses that drive a country into debt, and Cardoso was unable to resolve the problem because of political opposition.  Perhaps Lula, as leader of a major public employee's union, can persuade the civil servants to work at least until they are 60 and to accept benefits the country can afford.  Perhaps he can persuade Brazilian women that equality means equal contributions as well as equal pay and benefits.  If so, it will be a tribute to persuasive skills that exceed Fernando Henrique's.
People look for three main qualities in their leaders: competence, strength and empathy.  Fernando Henrique Cardoso was highly competent, and as strong as he needed to be.  His main weakness was his inability to communicate empathy, to let the people know he felt their pain and shared their dreams.  Lula's greatest strength is his empathy, and the people have responded to it.  He is also a strong leader, but his competence in national political leadership remains to be tested.  He will have to adapt skills he developed as a union and party leader, and he will have excellent staff support in doing so.
Anderson's essay is weakest where clear thinking is most needed, in articulating policies for the future.  Lula has articulated goals and aspirations, but he has been vague about actual policies.  He says he wants to change the economic model, but he doesn't say he wants to renationalize industries or close the country to world markets.  Anderson hopes that Lula will come up with some creative new ideas no one has thought of before.  That would be great, but it would be best not to count on it.
In his insightful book A Construção Intellectual do Brasil Contemporâneo:  Da Resistência à Ditadura ao Governo FHC, sociologist Bernardo Sorj offers very specific and helpful guidelines.  He argues that a leftist Brazilian government should form a broad coalition with centrist groups, learn to live with free market reforms, build a dialog with civil society, respect fiscal discipline and welcome foreign investment.  This seems to be exactly what Lula proposes to do.  Sorj also observes that such a policy would not be possible if Fernando Henrique Cardoso had not first carried out the necessary fiscal stabilization policies and administrative reforms.  The labor unions and the PT hotly contested these reforms, but they had to be made, and they give the PT the opportunity to go on to the next stage of Brazil's development.
As a sociologist, and as a political leader, Fernando Henrique Cardoso has always been acutely sensitive to how social forces play out in a particular historical conjuncture.  At each point in Brazil's history since 1964, he has recognized the limitations that the conjuncture imposed, while working to transcend them.  Without his leadership over the last eight years, Brazil might easily have slipped into the kind of collapse Argentina is experiencing.  While he certainly made mistakes, he was quicker in recognizing them and correcting them than many other leaders have been.  He leaves Brazil much stronger than it was when he took office, and he is doing everything to help his successor continue the progress.  Brazil is fortunate to have had leadership of his caliber.
 

FOLHA DE S.PAULO / BRASIL / 11.11.2002
BALANÇO

Perry Anderson reconhece avanços no controle da inflação e na área
social, mas vê mais danos que benefícios no período

FHC deixou saldo negativo, diz historiador
DA REDAÇÃO

O historiador britânico Perry Anderson, 64, esperava mais do governo
Fernando Henrique Cardoso, sociólogo de renome internacional e com uma
biografia marcada pela oposição ao regime militar. Mas, apesar de alguns
avanços inegáveis -como o controle da inflação e progressos na área
social-, o legado da era FHC é essencialmente negativo: "estagnação
crescente, salários reais em queda, desemprego em nível nunca antes visto e
uma dívida estarrecedora. O regime foi condenado em seus próprios
termos". A razão desse fiasco é o neoliberalismo que, barrando qualquer
controle sobre a mobilidade do capital, produziu aqui resultados mais
devastadores do que os trazidos a outros países do continente.
Em certo sentido, Fernando Henrique Cardoso foi uma vítima, não da
teoria da dependência por ele teorizada, mas da dependência real da
economia brasileira às nações do Primeiro Mundo. Ao deixar o país inteiramente
à mercê dos movimentos imprevisíveis do capital financeiro mundial, o
governo ficou exposto a todos os infortúnios que acometeram o mercado
mundial. No plano diplomático, atrelou o Brasil aos EUA.
A entrevista a seguir é atípica. A Folha enviou ao autor, por e-mail,
um conjunto de perguntas sobre a atual conjuntura política e econômica
do Brasil, acompanhado de questionamentos sobre suas obras, tanto as
mais antigas como sobre seu livro mais recente, "Afinidades Seletivas".
Apesar de reconhecer a relevância dos problemas levantados, Anderson
respondeu que, neste momento, a tarefa crucial era a análise do governo FHC
e do resultado da eleição de Luiz Inácio Lula da Silva. Ele descartou
assim inteiramente uma parte das questões propostas pela Folha e
estendeu, por conta própria, suas análises sobre a situação do Brasil,
intercalando perguntas que ele considerava importantes para esclarecer suas
opiniões. Nesse sentido, o texto final acabou sendo basicamente um
diálogo do autor consigo mesmo, mais do que uma entrevista. Leia os
principais trechos de seu depoimento:

Pergunta - Em 1994, o senhor disse que Fernando Henrique provavelmente
seria o melhor presidente que o Brasil já teve, mas que teríamos que
esperar para avaliar esse elogio. Hoje, ao final de seu mandato, o senhor
ainda concorda com a primeira parte de sua proposição? E o que diria da
segunda?
Perry Anderson - Não há dúvida alguma de que muitos brasileiros
-principalmente, mas não exclusivamente, os membros da classe média- acham que
Fernando Henrique foi o governante mais esclarecido que o país teve até
hoje. Eles podem apontar uma série de conquistas que, mesmo que com
frequência sejam exageradas nas apologias oficiais, foram reais e
palpáveis. A hiperinflação foi derrotada já no início do governo FHC, o que sem
dúvida alguma beneficiou as camadas mais pobres da população.
O analfabetismo diminuiu, a mortalidade infantil foi reduzida e houve
um certo grau de redistribuição da terra. Houve avanços na área social e
administrativa. O aparelho de Estado passou por uma modernização
genuína, sob alguns aspectos, tornando-se menos opaco e mais eficiente. Os
níveis de corrupção, embora continuem altos, caíram. As informações
estatísticas são mais confiáveis, os controles orçamentários estão mais
rígidos, o clientelismo regional foi reduzido. Esses são processos que
enfraqueceram as oligarquias do Nordeste, o que talvez tenha sido a mais
importante mudança de longo prazo conquistada ao longo destes anos.
Pergunta - Quer dizer que, para o senhor, o resultado global do mandato
FHC é positivo?
Anderson - Seria um erro menosprezar esses avanços. Mas eles são muito
modestos quando comparados à escala dos danos provocados pelas
políticas macroeconômicas do governo. A característica que define o governo FHC
tem sido o neoliberalismo "light", do tipo que predominou nos anos
1990, quando as doutrinas da Terceira Via distanciaram-se ostensivamente
das versões mais rígidas de neoliberalismo introduzidas por Reagan e
Thatcher nos anos 80, ao mesmo tempo em que, na prática, levaram adiante
-na realidade, muitas vezes acentuaram- o programa original, acompanhado
apenas de concessões sociais secundárias e de um discurso mais
flexível.
A dinâmica fundamental do neoliberalismo se ergue sobre dois
princípios: a desregulamentação dos mercados e a privatização dos serviços.
Convencido de que o Brasil não pode financiar o crescimento a partir da
poupança doméstica e de que suas estatais fomentavam a ineficiência e a
corrupção, Fernando Henrique Cardoso leiloou a maior parte do setor
estatal e abriu a economia completamente, apostando na entrada de um fluxo
maciço de capital externo para modernizar o país. Após oito anos, os
resultados estão aí, evidentes: estagnação crescente, salários reais em
queda, desemprego em nível nunca antes visto e uma dívida estarrecedora. O
regime foi condenado em seus próprios termos. A conquista da qual o
governo mais se orgulha, a estabilização monetária, está em ruínas: o real
está valendo um quarto do que valia no início do Plano Real, as taxas
de juros são as mais altas do mundo e o país hoje se vê cara a cara com
a possibilidade de moratória. A disparidade de renda não apenas
continua a ser virtualmente a pior do mundo, como agora a dependência está
incomparavelmente maior do que era -em todos os sentidos negativos- quando
FHC, num passado já distante, certa vez propôs uma teoria crítica dela.
É um legado desastroso.
Pergunta - Mas não é certo que os responsáveis pela maioria dessas
dificuldades foram fatos que estavam fora do controle do governo? Será que
é correto atribuir a culpa de tudo a Fernando Henrique?
Anderson - A lógica de um modelo neoliberal na periferia do capitalismo
mundial coloca qualquer país que a adota à mercê de movimentos
imprevisíveis nos mercados financeiros no centro, de modo que os infortúnios
que acometeram FHC foram em grande medida a crônica de um fiasco
anunciado. Mas este também foi um regime hesitante e incompetente. A taxa de
câmbio era insustentável desde o início, tendo sido sobrevalorizada para
fins demagógicos, e não se pensou nem mesmo no grau módico dos
controles de capital, controles estes que protegeram a economia chilena dos
piores efeitos que o Brasil viria a sofrer. De modo mais geral, é claro, a
idéia toda de que a chave para atrair capital externo seria a
desregulamentação e a privatização extremas era extraordinariamente ingênua e
provinciana. Nos mesmos anos durante os quais FHC estava conduzindo o
Brasil para o triste beco sem saída em que o país se encontra agora, a
China estava atraindo investimentos externos em escala colossal, deixando
no chinelo o capital volátil que chegava ao Brasil, com controles de
capital rígidos e uma moeda não conversível, além de apresentar de longe
o mais alto índice mundial de crescimento do PIB. A China hoje tem
muitos problemas, sem falar em desigualdades e injustiças. Mas o contraste
entre desenvolvimento vigoroso e dependência aleijada não poderia ser
mais gritante.
Pergunta - O sr. dá a entender que as políticas de FHC foram estúpidas,
mas o sr. considerava FHC um político muito inteligente.
Anderson - As razões pelas quais FHC se manteve num caminho
evidentemente calamitoso por tanto templo, quando a lógica já ficara clara na
primeira crise cambial, em 1995, precisam ser descobertas por futuros
historiadores. Uma explicação pode residir no pacto político com a velha
ordem que o levou ao poder. Hoje, seus admiradores no exterior -basta
olhar qualquer edição de ""The Economist"- não hesitam em descrever o
governo FHC como um regime de centro-direita. Segundo essa interpretação,
ele se tornou prisioneiro de alianças conservadoras das quais não
conseguiu libertar-se em nenhum momento. Mas essa explicação não me convence
por inteiro, entre outras coisas porque as oligarquias tradicionais
brasileiras nunca foram doutrinalmente inflexíveis -seus instintos são
inteiramente fisiológicos- e, em vários momentos, seriam prejudicadas com
doses excessivas de desregulamentação. É uma área na qual podem se fazer
diversas especulações, mas meu palpite é que uma resposta melhor se
encerra na relação entre FHC e Malan, e, através deste, com o FMI e os
EUA.
 

Marxista, Perry Anderson edita "New Left Review"
DA REDAÇÃO

O britânico Perry Anderson é um dos mais importantes historiadores da
atualidade. Nascido em Londres em 1938, é professor da Universidade da
Califórnia e editor da revista acadêmica inglesa "New Left Review".
Escreveu, entre outros livros, "Passagens da Antiguidade ao Feudalismo"
(Brasiliense), "Linhagens do Estado Absolutista" (Brasiliense),
"Considerações sobre o Marxismo Ocidental" (Brasiliense), "Um Mapa da Esquerda
na Europa Ocidental" (Contraponto) e "As Origens da Pós-Modernidade"
(editora Jorge Zahar).
Está lançando agora no Brasil a coletânea de ensaios "Afinidades
Seletivas" (R$ 38,00), pela editora Boitempo. A seleção foi feita por Emir
Sader. Neste livro, Anderson analisa pensadores de diversas posições
teóricas, como Antonio Gramsci, Marshall Berman, Isaac Deutscher, Michael
Mann, Isaiah Berlin, Norberto Bobbio, Friedrich von Hayek, John Rawls,
Geoffrey de Ste. Croix, Sebastiano Timpanaro e o brasileiro Roberto
Mangabeira Unger.
Os principais estudos são os dedicados às antinomias de Gramsci, com
uma análise do conceito de hegemonia, e sua discussão com Norberto
Bobbio, que se estende por artigos e réplicas publicadas entre 1988 e 1998.
 

Anderson vê na ênfase atribuída pela imprensa à biografia de Lula o
sintoma de uma cultura "sentimental e cínica"

"O paz e amor é um vocabulário de derrota"

Pergunta - Explique melhor.
Anderson - Pense na relação entre Menem e Cavallo. É claro que a dupla
brasileira é muito diferente. Cavallo possui um lado demoníaco, também
em sua ousadia e energia, que está inteiramente ausente em Malan,
discretamente medíocre. Menem tinha motivos para temer Cavallo como rival
potencial. FHC, pelo contrário, talvez preferisse que Malan fosse seu
sucessor. Mas o que havia em comum nos dois casos é a dependência do
governante num técnico, e isso na área decisiva do governo contemporâneo.
Menem, ignorante completo em matéria de economia, permitiu que Cavallo
instalasse a loucura que foi a paridade entre peso e dólar.
Fernando Henrique, infinitamente mais bem preparado, mesmo assim
continuou sendo sociólogo por formação, e sua própria consciência das
disciplinas intelectuais o levou a mostrar deferência a um economista
profissional. O Real foi obra de Malan e da equipe dele -e FHC deve tudo a ele.
Essa dívida moral fez com que lhe fosse difícil descartar Malan
juntamente com Gustavo Franco no momento em que, politicamente, deveria tê-lo
feito para proteger seus próprios interesses.
Mas havia um fator adicional: o fato de que Malan, que tinha intimidade
com o FMI, representava uma garantia da confiança americana. Enquanto
permanecesse no cargo, FHC poderia ter certeza de receber um tratamento
excepcional por parte do FMI e do Tesouro americano. Para Fernando
Henrique, os Estados Unidos sempre foram o ponto central de referência
externa, em todos os sentidos.
Pergunta - Em todos os sentidos? Em termos intelectuais, a cultura de
FHC é muito mais européia.
Anderson - Não, eu diria que ocorreu uma mudança significativa durante
os anos de exílio e da abertura. Foram fundações americanas, afinal,
que possibilitaram o trabalho científico do Cebrap quando Fernando
Henrique voltou ao Brasil, e, quando ele ingressou na arena política, não fez
segredo do fato de que achava que o Brasil precisava de algo
equivalente ao Partido Democrata americano, que ele enxergava no MDB. Quando ele
se tornou presidente, o poder dos EUA no mundo tinha aumentado
tremendamente com a vitória americana na Guerra Fria, criando uma hegemonia
global de um tipo nunca antes visto. Ideologicamente, FHC já tinha se
adaptado a isso bem antes de chegar ao Planalto.
O resultado, se deixarmos de lado os atritos esporádicos em torno de
tarifas ou patentes, foi um alinhamento mais ou menos completo com
Washington em todas as mais importantes questões internacionais. Durante uma
década, o Brasil praticamente não teve política externa própria. É
verdade que isso não chegou a ser novidade: o regime militar, que tinha
alguma idéia de geopolítica, constitui uma exceção nesse sentido. Mas FHC
chegou ao poder prometendo que o Brasil exerceria um papel no mundo que
seria proporcional às dimensões de sua economia recém-encontrada. No
exterior, porém, tudo o que provavelmente será lembrado disso serão os
encontros presunçosos da ""Terceira Via", em Nova York, Florença e
Berlim, nas quais Clinton e Blair se reuniram com companheiros e subalternos,
suscitando reações de ridículo cada vez maior, mesmo entre a imprensa
que os enxergava com bons olhos. O lado de bobagem cômica dessas
reuniões, de palavras tolas e fúteis jogadas ao vento, fez mais para
desacreditar FHC no exterior do que ele talvez tenha imaginado.
Pergunta - Apesar disso, o sr. não acha que FHC contribuiu para
consolidar a democracia no pais?
Anderson - Mas o que há de tão especial nisso? Os impérios tendem a
conferir aos povos que os desfrutaram uma perspectiva nitidamente
introvertida, provinciana -destino do qual os brasileiros não foram capazes de
escapar, não mais do que o foram os britânicos ou americanos. A
preservação da democracia não constitui mérito especial de FHC, pois ela nunca
esteve seriamente ameaçada desde que os generais deixaram o poder, e,
longe de constituir um feito notável do Brasil, é uma banalidade
regional. Todas as outras sociedades latino-americanas que passaram por
tiranias militares nos anos 60 e 70 fizeram o mesmo (Argentina, Chile,
Uruguai) sob governantes insossos, conservadores ou mesmo corruptos e
autocráticos: Aylwin, Frei, Lagos, Sanguinetti, Batlle; mesmo Menem entregou o
poder a De La Rua da mesma forma rotineira que FHC o entregará a Lula.
Não há nada demais nisso.
Pergunta - Mas a qualidade da democracia brasileira não teria melhorado
sob o governo FHC?
Anderson - Pelo contrário, eu diria que ela decaiu. Quando as pessoas
falam do efeito ""civilizador" do governo FHC, estão, na realidade,
fazendo referência a sua capacidade de reprimir o potencial conflituoso da
democracia brasileira, ao estabelecer os parâmetros de um consenso no
qual todas discordância séria é desqualificada de antemão, vista como
anacrônica e deslocada. É a versão local do pensamento único.
Naturalmente, as trocas de opinião dentro desse curral são feitas com cortesia.
Mas, se olharmos para as estruturas institucionais do poder, o que vemos?
Antes de tornar-se presidente, FHC falava da necessidade urgente de
reforma política para tornar o sistema partidário mais coerente e mais
regido por princípios, e isso como condição primeira para melhorar a vida
democrática no Brasil. O que foi feito nesse sentido? Nada.
Na prática, ele preferiu manter a promiscuidade amorfa existente, já
que ela se coadunava tão bem com suas próprias habilidades de mestre
exímio das manobras no Congresso. A suposta ""reforma" que ele instituiu
quase à força foi o exato oposto: reeleição presidencial. Politicamente
falando, foi o pior ato isolado de sua gestão, aquele que terá os
efeitos mais prolongados. Esse ato o situa ao lado de Fujimori e de Menem,
assim como de tantos outros governantes de ego inflado, que degradaram
tanto as tradições constitucionais quanto as perspectivas democráticas de
seus países.
Pergunta - Por que o sr. tem uma opinião tão negativa da reeleição?
Anderson - A América Latina sempre sofreu os efeitos do
presidencialismo excessivamente poderoso -a pior importação feita dos Estados Unidos,
mais ainda porque agravada pela ausência de um sistema que refreia a
atuação do presidente-, berço do qual nasce todo tipo de demagogia e
autocracia. Mas, pelo menos os oligarcas liberais do século 19 e seus
sucessores no século 20 tinham o bom senso de manter o limite do mandato
único. No Brasil, mesmo a ditadura militar dos anos 60 e 70 não mexeu com
essa regra, tendo dado mostras de autodisciplina coletiva suficiente
para passar o bastão de um presidente a outro a cada quatro anos. Não
havia razões fortes para que FHC fizesse questão de se reeleger, exceto a
vaidade. Malan ou Serra poderiam perfeitamente ter levado seu regime
adiante em 1998, momento no qual eles teriam sido eleitos sem
dificuldade. Ao forçar essa mudança fundamental por razões triviais, Fernando
Henrique desferiu um golpe duplo contra a democracia brasileira. Em
primeiro lugar, ao reforçar os poderes do Executivo e a personalização da
política, no sentido mais deteriorado do termo, que o cerca. Em segundo,
pela desonestidade com que ele orquestrou a campanha para seu
continuísmo, dizendo à nação, repetidas vezes, que não tinha nada a ver com o
desejo espontâneo de autorizar um segundo mandato que teria nascido no
Congresso. Mentir de maneira tão aberta e desavergonhada assim é um ato de
menosprezo. Mostrou claramente até demais a realidade cínica que se
escondia por trás da fachada da democracia brasileira ""aperfeiçoada".
Para ter uma visão da decadência política que essa iniciativa desencadeou,
basta olhar para os anúncios com que os candidatos à Presidência
inundaram o país neste outono.
Pergunta - Como assim?
Anderson - Se FHC tivesse deixado o poder em 1998, seu desempenho teria
parecido muito melhor do que parece em 2002. Ao aferrar-se ao poder,
FHC garantiu que será recordado principalmente pela derrocada econômica
que provocou. Ele deixará o poder em estilo mexicano -como Lopez
Portillo ou Carlos Salinas, capaz apenas, e por pouco, de adiar até depois de
estar fora do poder a prestação de contas pelo que fez, mas com poucas
chances de poder proteger sua reputação contra o que está por vir.
Diferentemente de Portillo ou Salinas, FHC nunca foi corrupto. Mas -e nisso
também ele difere dos dois- ele não proporcionou a seu país nem sequer
um período breve de boom econômico.
Pergunta - O sr. considera que o governo FHC fracassou?
Anderson - Não, ainda é cedo para dizer isso. Paradoxalmente, os
próprios erros de administração econômica de seu governo podem acabar gerando
um êxito político de longo prazo. Pois o legado da dívida que FHC
deixou vai colocar um ônus tão debilitante sobre seu sucessor que Cardoso
terá boas razões para esperar, como ele diz, que sua política continue
depois dele, no novo governo. É claro que essa não é a única restrição
que ele legou: a hegemonia ideológica do tipo de neoliberalismo que ele
passou a personificar permanece, se não intato, largamente dominante no
Brasil de hoje, juntamente com a personalização do poder que ele
intensificou. Do mesmo modo que Thatcher pode enxergar Tony Blair como sua
realização mais durável, tanto assim que ela o afirma, FHC também poderá
congratular-se pelo fato de que ele tornou a ordem neoliberal
irreversível no Brasil por um bom tempo ainda por vir.
Pergunta - O sr. acha que Lula pode tornar-se semelhante a Blair?
Anderson - Já temos muitos exemplos de políticos ou partidos vencendo
eleições em plataformas que se opõem frontalmente ao neoliberalismo mas
que, uma vez chegados ao poder, passam a implementar políticas
neoliberais, com frequência ainda mais drasticamente do que tinham feito
aqueles que o denunciavam. Na América Latina, Carlos Andrés Perez foi o
primeiro a seguir esse caminho, tendo feito críticas eloquentes à dívida
externa e à austeridade em sua campanha, para depois impor ao país um
pacote tão selvagem que detonou o ""caracazo" de 1989, numa sociedade que,
na época, era substancialmente mais rica do que é o Brasil hoje. No
mesmo ano, Fujimori derrotou Mário Vargas Llosa no Peru, denunciando o
neoliberalismo deste com uma violência que supera de longe qualquer
discurso do PT de hoje, para, em seguida, tornar-se arquiteto de uma versão
particularmente corrupta e cruel do neoliberalismo. A trajetória de
Menem, na Argentina, foi essencialmente a mesma.
Pergunta - Mas nenhum desses dirigentes se situava à esquerda. Não
podem ser comparados a Lula.
Anderson - Na Europa, já vimos o mesmo ciclo sendo repetido tanto pela
esquerda quanto pela direita. A França é o caso mais eloquente em
pauta. Chirac chegou ao poder em 1995 denunciando o ""pensamento único" dos
anos Mitterrand -foi ele quem virtualmente cunhou o termo. Uma vez
eleito, seu governo imediatamente tentou impor reformas neoliberais
clássicas, o que desencadeou as grandes greves de 1996 e o fez perder as
eleições de 1998, que foram vencidas por Jospin prometendo fazer o
contrário. Em quatro anos, Jospin já tinha privatizado mais do que todos os
governos anteriores juntos. O Partido Socialista, por sua vez, foi
rejeitado nas urnas este ano.
Pergunta - O sr. acha que o PT é como o Partido Socialista francês?
Anderson - Não. A eleição de Lula para ser o próximo presidente do
Brasil marca uma virada política muito mais profunda, e, potencialmente,
abre espaço para mais esperança do que qualquer mudança de governante na
França. Mas, se quisermos traçar uma estimativa realista das chances de
uma descontinuidade real nas políticas econômicas e sociais no Brasil,
teremos que pesar cuidadosamente as condições de uma ruptura
significativa com o passado. Existem três razões principais para imaginar que o
país possa escapar de um ciclo de repetição.
Em primeiro lugar, a própria figura de Lula. Pode haver uma tendência a
sobrestimar a importância de suas origens. A cultura brasileira é
sentimental, além de cínica, e neste momento a mídia está se fartando de
divulgar informações biográficas sobre o presidente eleito. O exemplo de
Lech Walesa deveria bastar como aviso contra os excessos nesse
departamento. Isto posto, não deixa de ser verdade que Lula personifica uma
experiência de vida popular e um registro da luta social e política de
baixo para cima inigualado por qualquer outro governante no mundo atual.
Além disso, por trás dele está o único partido de massas novo a ter sido
criado a partir do movimento sindical desde a Segunda Guerra -um
partido que, em termos de números, influência e coesão não tem igual na
América Latina. Existe uma distância entre Lula e o PT -Lula recebeu o dobro
dos votos dados ao PT- que corre o risco de ser acentuada pela
Presidência reforçada. Mas a combinação de Lula e PT ainda é muito forte. Por
fim, existe um clima de expectativa popular que nenhum presidente
recente desfrutou no início de seu mandato. A esperança de que o país possa
deixar para trás a miséria dos últimos anos não vai desaparecer da noite
para o dia.
Pergunta - O sr. está otimista quanto ao governo Lula?
Anderson - Contra esses pontos a favor, precisamos equilibrar as
restrições objetivos formadas pela situação na qual o presidente e o partido
agora se encontram. Em primeiríssimo lugar, está a paisagem econômica
devastada. Já antes de assumir o poder, o PT se comprometeu a respeitar
os termos severos ditados pelo FMI, que vão não apenas excluir qualquer
aumento significativo nos gastos sociais como, provavelmente, ditar uma
contração forte, visando impedir que a confiança dos credores externos
e as taxas de juros subam ainda mais. Se é virtualmente tabu dizê-lo no
Brasil, fora do país a imprensa financeira não faz segredo quanto ao
fato de ter concluído que uma moratória brasileira é inevitável, mais
cedo ou mais tarde. O mais provável é que a crise econômica se aprofunde.
Ao mesmo tempo, a mobilização social permanece baixa, em níveis muito
inferiores aos dos anos 80 -um dos efeitos dos anos FHC, enfraquecendo
as energias coletivas sempre necessárias para fazer frente a tais
crises. Há também o peso da tradição cultural que se fará sentir sobre os
agentes de qualquer renovação. Muito mais ainda do que a Itália, que
lançou o conceito para o mundo, o Brasil é por excelência o país do
""transformismo", a capacidade que possui a ordem estabelecida de abraçar e
inverter as forças transformadoras, até que fica impossível distingui-las
daquilo que se propunham a combater. É o lado sombrio da incomparável
cordialidade brasileira. O "paz e amor" é, por antecipação, um
vocabulário de ingestão e derrota. Uma causa pode sobreviver a um slogan, mas,
sem slogans melhores do que este, as pressões objetivas não vão demorar
a esmagar os desejos subjetivos.
Pergunta - Como o sr. avalia os programas do PT?
Perry Anderson - O PT, como oposição, vem dando mostras de razoável
criatividade. Os orçamentos participativos de Porto Alegre são uma
invenção largamente admirada em todo o mundo. Os economistas do PT foram os
primeiros a chamar atenção para a lógica do neoliberalismo de Malan e a
prever suas consequências fatais. De modo geral, porém, nem o PT nem o
presidente eleito têm qualquer alternativa pronta para opor à ortodoxia
reinante, como deixa clara a imediata adesão deles às diretivas do FMI.
Historicamente, é claro, as inovações políticas reais na América Latina
não seguiram esquemas preconcebidos. Da grande crise que abalou o
continente em 1929 saiu um conjunto de respostas pragmáticas e intuitivas
-em essência, diferentes formas de populismo baseado na substituição de
importações: o getulismo, o peronismo, o MNR na Bolívia e assim por
diante, que, em sua época, foram altamente criativas e eficazes. Em lugar
de orientar os atores de antemão, as doutrinas do Cepal foram
cristalizadas ""post facto". Hoje a América Latina mais uma vez enfrenta uma
crise de proporções continentais. Por que o Brasil não poderiam encontrar
uma saída do impasse de maneira similar -com soluções pragmáticas,
feitas sob medida para cada caso?
A diferença está no grau incomparavelmente maior de integração das
economias, sociedades e culturas latino-americanas com a ordem mundial do
capital, comandada pelo Norte. Por esse motivo, os pré-requisitos
programáticos para uma fuga da camisa de força atual parecem ser muito
maiores. Mas se as economias centrais entrassem numa espiral descendente,
então, enquanto o império ficasse cuidando de suas próprias terras
original, é provável que aumentassem as chances de a periferia encontrar
soluções baseadas na criatividade.

Tradução de Clara Allain

FRASES

"Pode haver uma tendência a sobrestimar a importância de suas origens
[de Lula". A cultura brasileira é sentimental, além de cínica, e neste
momento a mídia está se fartando de divulgar informações biográficas
sobre o presidente eleito. O exemplo de Lech Walesa deveria bastar como
aviso contra os excessos nesse departamento"

"Se FHC tivesse deixado o poder em 1998, seu desempenho teria parecido
muito melhor do que parece em 2002. Ao aferrar-se ao poder, FHC
garantiu que será recordado principalmente pela derrocada econômica que
provocou. Ele deixará o poder em estilo mexicano, como Lopez Portillo ou
Carlos Salinas"
PERRY ANDERSON